A flor e o ar


A flor que atiraste agora,
quisera trazê-la ao peito;
mas não há tempo nem jeito...
Adeus, que me vou embora.

Sou dançarina do arame,
não tenho mão para flor:
pergunto, ao pensar no amor,
como é possível que se ame.

Arame e seda, percorro
o fio do tempo liso.
E nem sei do que preciso,
de tão depressa que morro.

Neste destino a que vim,
tudo é longe, tudo é alheio.
Pulsa o coração no meio
só para marcar o fim.

-Cecília Meireles-

(Do livro "Os Melhores Poemas de Cecília Meireles/
seleção Maria Fernanda", pág. 102).

4 comentários:

O Profeta disse...

Para que a terra não trema
Para que esta Ilha seja de boa guarida
Mil e muitas ave-marias
Para iluminar tanta alma perdida

Em meu peito bate a fé
Sou um caminhante de muda revolta
Olhos presos a este manto verde
Alma que se ergue e fica solta


Boa Páscoa



Mágico beijo

Fada do Mar Suave disse...

Cecília sempre nos encantando e emocionando. E, você Selma nos proporcionando momentos de grande beleza e magia.

Beijosss

Fatti disse...

Olá Selma...amiga aki nos encontramos nossa q bom...atravéz de um amigo q seguiu meu blog te achei no bolg dele ja estou te seguindo foi realmente uma surpresa agradavel para mim...bjus amiga.

O Profeta disse...

Ó chamateia que fala da saudade
Ó canção que pões um brilho nos olhos
Ó mulher que tens a forma da viola
Ó que espalhas paixões aos molhos

E o cantar da meia-noite
A todos encanta e seduz
Cantar até que morra a voz
Cantar até que haja luz




Boa semana



Doce beijo