As palavras estão com seus pulsos imóveis




As palavras estão com seus pulsos imóveis.
Caminharia a morte - e sempre o mesmo peso
e a mesma sombra fechariam meus pedidos.

Mas o sangue do amor tem sonos e silêncios,
sabe do que aparece apenas porque passa:
espera sem temer que o universo se explique.

Mando-te um som de vida, em meus rios de espanto,
solitária de mim, repentina exilada,
com os enigmas ardendo entre incosntantes ondas.

Nada somos. No entanto, há uma força queprende
o instante da minha alma aos instantes da terra,
como se os mundos dependessem desse encontro,

desses prelúdios sobressaltados.


Cecilia Meireles

Nenhum comentário: